Obesidade Infantil e Diabetes Tipo 2 – Relação Perigosa!

diabetes infantilO excesso de peso e obesidade na infância, isto é, a acumulação anormal ou excessiva de gordura que representa um risco para a saúde das crianças, e atualmente é um problema crônico que vêm crescendo na Europa, estando associado a diabetes, mortalidade prematura e perda de qualidade de vida.

É na bacia mediterrânica que se concentram os países europeus com maior prevalência de obesidade infantil, incluindo-se nestes Portugal. Em idade pediátrica, o excesso de peso e obesidade podem ser definidos pelos percentis do Índice de Massa Corporal, atendendo à idade e ao sexo.

No relatório do programa COSI, um programa europeu de vigilância nutricional infantil que periodicamente avalia crianças entre os 6 e os 8 anos, 30,2% das crianças portuguesas apresentavam excesso de peso e, destas,  14,3% tinham obesidade. São os fatores ambientais os que mais contribuem para a pandemia da obesidade. Na forma primária ou nutricional, a forma mais comum de Obesidade Infantil, o aumento de massa gorda deve-se ao desequilíbrio resultante entre o aporte calórico excessivo e o gasto energético reduzido.

Obesidade Infantil – Fatores de Risco

Destacam-se, em diversos estudos, os seguintes fatores de risco:

  • alimentação inadequada (consumo excessivo de gorduras e carboidratos simples, acompanhado pelo consumo reduzido de frutos, vegetais, fibras e carboidratos complexos);
  • inatividade física;
  • peso ao nascimento;
  • estado nutricional parental;
  • grau de instrução parental;
  • número de horas a ver televisão;
  • número reduzido de horas de sono; e
  • número reduzido de irmãos.

A Obesidade Infantil não deve ser considerada transitória e limitada no tempo. Em mais de 60% dos casos, o excesso de peso e a obesidade arrastam-se para a idade adulta e, mesmo nas crianças, estão presentes problemas orgânicos e psicossociais, como:

  • insulinorresistência;
  • diabetes mellitus tipo 2;
  • hipertensão arterial; dislipidemia;
  • problemas cardiovasculares, ortopédicos, neurológicos e gastrointestinais;
  • baixa auto-estima;
  • humor deprimido;
  • discriminação e bulliyng.

A melhor intervenção para a obesidade infantil é a prevenção. A deteção precoce dos casos e seguimento adequado são fundamentais quando a obesidade se instala. Medidas políticas e sociais, também, devem ser definidas e implementadas para frenar este problema.

Diabetes e Obesidade Infantil

Em relação a diabetes infantil, muitas crianças com diabetes tipo 2 estão conseguindo manter a diabetes dominada com a alimentação adequada e a prática regular de atividade física.

Veja como pessoas comuns estão conseguindo manter a diabetes controlada, seguindo as dicas do médico especialista em diabetes Dr. Rocha.

Dica 1: Dieta Para Diabéticos

Dica 2: Mantenha sua Diabetes Controlada

Quer saber mais sobre o controle do diabetes? Leia esse: Livro Sobre Diabetes e saiba como vencer a diabetes naturalmente.

Alzheimer e Diabetes – Doenças Progressivas

diabetes e alzheimerMundialmente, cerca de 35,6 milhões de pessoas vivem com demência. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que este número duplique em 2030 e triplique em 2050. A OMS propõe que, além de se promover o diagnóstico precoce, de se providenciarem melhores cuidados e de ser dado um maior apoio aos cuidadores, também se melhore o conhecimento sobre esta doença entre a população e se promova a redução do estigma a que está associada.

O desconhecimento sobre a doença alimenta o estigma, o que contribui para o isolamento social quer do doente quer dos cuidadores, o que pode originar inclusivamente um atraso no diagnóstico, cuidados de saúde e suporte social.

A demência é um síndrome que pode ser causado por um número de doenças progressivas – como, por exemplo, o diabetes tipo 2 – que afetam a memória, raciocínio, comportamento e a capacidade do paciente realizar as atividades de vida diárias. A consciência não é alterada.

Se você sofre de diabetes, veja o vídeo abaixo:

Algumas receitas podem aliviar os sintomas do diabetes, existem muitas receitas para diabetes que ajudam no tratamento do diabetes. Veja algumas dicas no vídeo abaixo:

A Doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência, contribuindo com 60 a 70% dos casos. Outras causas frequentes são a demência vascular, demência dos corpos de Lewis e um grupo de doenças que contribui para a demência frontotemporal. É comum que coexistam diferentes formas de demência.

Apesar de atingir mais frequentemente os idosos, a demência não é uma fase normal do envelhecimento. É uma das maiores causas de incapacidade e dependência, tendo um importante impacto físico, psicológico, social e econômico nos cuidadores, família e sociedade.

Os sinais e sintomas da demência variam de indivíduo para indivíduo. Dividem-se em três fases:

Na fase inicial, nem sempre existe um diagnóstico, manifestando-se a doença por esquecimento, perda da noção do tempo e desorientação espacial em locais conhecidos.

Na fase intermediária, a doença começa-se a manifestar de uma forma mais clara e restritiva. Frequentemente, o utente começa a se esquecer de eventos recentes e dos nomes das pessoas, fica desorientado na própria casa, tem uma dificuldade progressiva na comunicação, necessita de auxílio na higiene pessoal e evidencia alterações de comportamento.

Na fase tardia, há dependência total e inatividade.  As alterações de memória são mais graves e os sinais e sintomas físicos são mais evidentes. Os sintomas incluem desorientação temporal e espacial, dificuldade em reconhecer familiares e amigos, necessidade crescente de auxílio na higiene pessoal, dificuldade em caminhar e as alterações comportamentais podem escalar e incluir agressão.

Atualmente, não existe cura para a demência. Os principais objetivos dos cuidados de saúde na demência são a otimização da saúde física, cognição, atividade e bem-estar, identificação e tratamento das doenças físicas concomitantes, prevenção e tratamento dos sintomas comportamentais e psicológicos e providenciar informação e suporte a longo prazo para os cuidadores.

A prevenção da demência focaliza-se nos alvos sugeridos pela evidência disponível, a qual inclui fatores de risco de doença vascular, como a diabetes, hipertensão, obesidade, tabagismo e inatividade física.